Das flores que eu adivinho…

Poeta e Escritora Célia de Lima

Das flores que eu adivinho…
(Célia de Lima)

A chuva fina de um outono
Consente alguns raios de sol…
O vento versa, e eu tenho o sono
Dos que não têm pressa ou ideal.
Ele não tarda, já é hora
De ser pássaro de outra era …
Ainda assim, me deixa à porta
As últimas rosas, etéreas.

As pétalas são tão pequenas
Que a chuva desmancha, sorrindo…
Mas su’ essência sobe e alimenta
A minha noite, o meu destino.

(O sol me conta
Que o verso venta…
As flores eu sei, adivinho.)

Anúncios

Sobre daurabrasil

Experimento a quietude e adentro meu sítio íntimo. Amplio a sensibilidade... E, com liberdade, encontro-me com a Poesia. Situo ainda algumas questões e o que elas implicam... Sem anular o pensamento, ouso revelá-las, refletindo o sentir e o consentir. (Daura Brasil) * * *
Esse post foi publicado em Das flores que eu adivinho…, De tudo, Poesia e marcado , . Guardar link permanente.

2 respostas para Das flores que eu adivinho…

  1. Célia disse:

    Criaturinha doce, ter um poeminha meu no seu cantinho é uma honra imensa! :-) Mas preciso, especialmente, é contar que o vídeo que vc inseriu no seu espaço é uma das coisas mais belas que já pude sentir. Me levou às lágrimas!!!! Muitas. Só posso dizer amém a tudo isso, em esperança, em fé, em confiança!! Beijo no coração

  2. Daura disse:

    Célia, querida amiga, grande e sensível poeta! Você que emociona com seus poemas – são belos, são sublimes!Com carinho e desejo de um doce amanhecer. Beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s