Natal! Tempo de Compartilhar os Afetos Mais Doces! I

Natal! Tempo de Compartilhar os Afetos Mais Doces! I
Publicado em 2009/12/17 por daurabrasil

Que a Luz do Natal derrame
um manancial de Paz
sobre a Terra.

a_041208101407

Natal Engrinaldado!!!
Sintonia entre o Espírito Natalino
e a Essência dos Poetas!

(Daura Brasil)

Soneto de Natal

Um homem, — era aquela noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno, —
Ao relembrar os dias de pequeno,
E a viva dança, e a lépida cantiga,

Quis transportar ao verso doce e ameno
As sensações da sua idade antiga,
Naquela mesma velha noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno.

Escolheu o soneto. . . A folha branca
Pede-lhe a inspiração; mas, frouxa e manca,
A pena não acode ao gesto seu.

E, em vão lutando contra o metro adverso,
Só lhe saiu este pequeno verso:
“Mudaria o Natal ou mudei eu?”

(Machado de Assis)

art-0287

Acalanto

Oh Deus! TU que és puro amor!
Se frutos somos, deste Teu amor!
Se todo amor enaltece, dignifica…
Porque me assola tamanho estupor?
Ter de assistir o arrefecimento,
A agonia do amor
com marasmo… langor…
Confiei que fizeras o céu para que almas volitassem
Enlevadas na sublimação do amor…
A despeito de tudo, neste instante, se encontrassem!
Cri que todo amor é profícuo
Conquanto desperta em nós a criança,
A boa fé, a esperança,
Reaviva a pureza da alma…
Reluz e a Ti conduz!

Deus meu, Pai de misericórdia!
Dai-me nesta hora Teu colo, Teu afago…
Sinta eu, que envolta estou numa nuvem
De puro acalanto… embalada! A ser cuidada
Ao atravessar esta momentânea turbulência…
Não permitas, oh Pai, que eu caia na descrença!
Que esmoreça, abdique do ato da entrega total
E me guarde com orgulho, feito fotografia em mural…

Rogo-Te Senhor!
Preenche-me da Tua ternura,
Para que eu acate e compreenda
Os desígnios humanos, terrestres.
Adversos e incontestes…
Não permitas que neste langor
Macule eu, o sublime amor
Que me foi dado a conhecer.
Segura minha mão nesta travessia!
Ainda sou a criança Tua…
Guia-me pelos céus desta vida
Transitória, de forma pura e nua!

(Rosany Costa)
http://www.rosanycosta.com.br/

art-0287

NATAL

Natal…
Natividade ativa
viva entre nós
mortais que somos
cruéis realizadores de sonhos
menestréis de amor e fraternidade.
Por que ceifar de alguns
a fome de sonhar
utopia banal, real
dos abastados comedores de mentes
semente do mal
banal?

Não, é Natal!

Vejam as telas soberbas das ceias
carnes, frutas, bebidas virtuais…
Corações e mentes decepadas
sem alegria ou fome…

Sim, é banal!

E não me diga que poeta é louco!
Demente é a humanidade sem coração
mentes dessecadas
onde as partes não se vêem
fecham os olhos para as banalidades
dos que choram
a falta
a ausência de irmandade…
Eles,
vorazes se consomem…

Ligia Tomarchio
http://www.ligia.tomarchio.nom.br/

Alento de um Anjo

Na calma de minha alma, comungo…
Pudesse estar junto
Acalentar quando preciso fosse
Mas o instante é impreciso…
Existem tão poucas coisas
que valem à pena neste mundo,
Uma delas é amar a alma de
alguém, é ir mais além…
Viajar através da corrente sanguínea,
Contrastando com os impulsivos hormônios,
Que insistem burilar com emoções…
Viajar entre o infinito do ser… Depois entre
estrelas adormecer…
É poder ver além do horizonte… Sentir a
presença querida.
O calor D’alma que num breve suspiro,
acalenta…
Anjo de minh’alma é uma
alma especial…
No sorriso doce, nas palavras amáveis…
No carinho incontido. Não importam os
percalços do caminho…
Ali está ali também estou… Anelando o ser…
Salpicando o céu ao alvorecer…
Ser em dor, em amor, em não ser….
Mas somos anjos compartilhando
Assim, no sequestro do tempo.
Seguimos amando.

Mangela Castro
http://mangelacastro.blogspot.com

É Natal
O Cosmo está bordado de Amor!
Anjos Divinos tangem suas harpas
Melodiando na música das esferas
Glória ao Redentor!

(Daura Brasil)

Anúncios

Sobre daurabrasil

Experimento a quietude e adentro meu sítio íntimo. Amplio a sensibilidade... E, com liberdade, encontro-me com a Poesia. Situo ainda algumas questões e o que elas implicam... Sem anular o pensamento, ouso revelá-las, refletindo o sentir e o consentir. (Daura Brasil) * * *
Esse post foi publicado em Acalanto, Alento de um Anjo, Homenagem, Natal, Natal! Tempo de Compartilhar os Afetos Mais Doces! I, Poemas, Poesia, Soneto de Natal e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Natal! Tempo de Compartilhar os Afetos Mais Doces! I

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s