Esperança, alimento da alma

Há momentos em que a desesperança sustenta ainda mais a falta de crença, e o querer termina em frágil possibilidade, que apenas sussurra ou se emudece; ora se torna latente, até enxergar uma situação que não ofereça resistência; às vezes, parece agonizar, quando se percebe vagueando na sombra da ilusão.

Felizmente, essa descrença pode ser temporária; desafiá-la é ir além dessa abordagem – deslindar caminhos desenhados de esperança…

A esperança é o alimento da alma! Um sentimento virtuoso, que tem em si a energia fundamental, para realizações de ideais elevados – harmonizada com a fé, reflete o brilho que adorna a crença de que tudo pode ser diferente…

Alimente a esperança! Inspiradora da alegria, ela deve cingir tudo o que se fizer, pois, esse desejo profundo de buscar sempre o melhor, enseja uma existência agradável.

© Daura Brasil

Ainda que os teus passos pareçam inúteis, vai abrindo caminhos, como a água que desce cantando da montanha. Outros te seguirão...
(Saint-Exupéry)


* * *

Vão-se os sonhos nas asas da Descrença, voltam sonhos nas asas da Esperança. Mas atrelado ao desalento, o poeta espera a voz da morte.

A Esperança

A Esperança não murcha, ela não cansa,
Também como ela não sucumbe a Crença.
Vão-se sonhos nas asas da Descrença,
Voltam sonhos nas asas da Esperança.

Muita gente infeliz assim não pensa;
No entanto o mundo é uma ilusão completa,
E não é a Esperança por sentença
Este laço que ao mundo nos manieta?

Mocidade, portanto, ergue o teu grito,
Sirva-te a crença de fanal bendito,
Salve-te a glória no futuro – avança!

E eu, que vivo atrelado ao desalento
Também espero o fim do meu tormento,
Na voz da morte a me bradar: descansa!

Augusto dos Anjos
(1884-1914)

Fonte: http://leaoramos.blogspot.com/2007/01/vo-se-os-sonhos-nas-asas-da-descrena.html
Imagem: amendoeira em flor - Google

Anúncios

Sobre daurabrasil

Experimento a quietude e adentro meu sítio íntimo. Amplio a sensibilidade... E, com liberdade, encontro-me com a Poesia. Situo ainda algumas questões e o que elas implicam... Sem anular o pensamento, ouso revelá-las, refletindo o sentir e o consentir. (Daura Brasil) * * *
Esse post foi publicado em Esperança, Poesia, Texto e marcado . Guardar link permanente.